Aprendendo a perdoar...

Quando entrei no ginásio tinha a auto estima meio baixa. As outras meninas eram um pouco diferentes de mim... Eu ainda era uma criança. Ia pro colégio com xuxas coloridas no cabelo, enquanto elas iam com os cabelos soltos ao vento, eu ainda usava roupas infantis, enquanto elas já usavam roupas mais sérias, de adolescentes. E o pricncipal e que mais me deixava mal: Todas tinham menstruado, menos eu.

Aquilo me consumia por dentro, e para completar elas ainda judiavam. Me chamavam de sub-desenvolvida, de atrasada, de criança, de maternal, de Creche Aldeia Mirim (era a creche que tinha dentro do colégio que eu estudava). E eu ouvia tudo calada, com os olhos meio tristes e sem graça, mas sempre calada. Por várias e várias vezes quando chegava em casa me trancava lembrando daquelas gargalhadas maldosas das meninas "desenvolvidas". Isso durou da 5ª série até a 7ª que foi quando enfim eu menstruei. Lembro como se fosse hoje cheguei na escola toda empolgada e boba pra contar a novidade. As meninas estavam no pátio... vim correndo toda boba, me joguei no banquinho e disse "Meninas, fiquei menstruada!". Ela não deram a mínima. Precia que eu tinha falado que um mosquito me picou. E assim estava, assim ficou. Eu achava elas duas lindas, super maduras, as venerava mesmo. Teve um dia que estávamos fazendo prova e eu sentei perto de uma delas, quando acabamos a prova ela começou a botar a pelido em todo mundo da sala e ficar falando dos defeitos, eu ria e concordava pra ser agradável e ela gostar de mim. No dia seguinte nenhuma menina da minha sala falava comigo. Ela contou pras garotas que eu tinha falado mal delas e falou apelido por apelido, mas disse q eu q tinha inventado. Quem acreidtaria em mim? Me lembro que cheguei pra uma menina que era a mai maneira da sala e implorei pra ela acreditar em mim. Ela até ouviu a minha versão da história mas no fim ds contas ficou com a oura versão. Fui no banheiro e chorei como uma louca nesse dia. fiquei váaarios dias sem ir pra escola e depois passei a não ligar mais. Quem quisesse falar comigo bem, quem não quisesse problema. e magicamente elas se aproximaram de mim novo. Depois disso tivemos poucos conflitos, nada que afetasse minha cabeça. No segundo grau então, amadurecemos e viramos amigas inseparáveis nós três. Com uma delas briguei ainda duas vezes, mas nada que uma semana sem se falar não resolvesse, rs. Com a outra - a que mais tripudiava em mim na época do ginásio, nunca mais briguei, e foi com ela que me torneu amiga inseparável. Às vezes eu sentia ainda raiva quando lembrava de tudo e aquela sensação de medo de ficar sozinha me assombrou muitas vezes depois que cresci. Mas o tempo passou, as coisas mudaram, e eu também amadureci. Hoje vejo que sou o que sou devido ao que vivi. Me lembro disso e rio, rs. E aposto que as meninas quando se lembram também riem bastante. Foram elas que me acompanharam na melhor fase da minha vida, a transição da infância para a adolescência.

Na adolsescência sofri também uma pá de decepções amorosas... Umas mais doloridas que as outras, mas todas foram decepções. Já pensei em me matar, em cortar os pulsos, em me jogar do 3° andar do colégio, em tyomar os pacotes de lexotan da minha tia velinha, mas graças à meus pais, à michele e o renan (que foram os amigos que na época me sustentaram), não cometi tais desatinos e estou aqui hoje para contar esta história.

Bem, é verdade que sofri sim, mas o que não devia ter acontecido (e não aconteceu), era sofrer a vida inteira e se desgraçar por causa disso. Vejo pessoas que ficam feridas (principalmente por relacionamentos), e não esquecem... O tempo passa, a pessoa até se relaciona com outras pessoas, mas não esquece a mãgoa, não perdoa, não deixa cicatrizar. Aprendi uma coisa na adolescência que vou levar pra vida toda: Quando você não perdoa, não é a pessoa que fica presa à você, é você que fica presa por um cordão umbilical eternamente (ou até você perdoar) à ela.

Perdoe. Libere sua vida. a mágoa é como um ciclo que precisa dar um giro em torno de si mesmo e se completar para terminar. E o término do cicio da mágoa termina com o perdão. É isso que libera a gente pra ser feliz novamente.
Leve com você o que foi bom, e não tenha raiva das pessoas. Nenhuma delas. Nem mesmo o carrancudo do seu chefe. Pense bem, quem tem que carregar aquela cara de chateação o tempo todo é ele e não você, isso não é maravilhoso? Você pode sorrir. Não tenha raiva do seu chefe, mesmo que ele te faça coisas chatas. Não deixe que outras pessoas determine o que você será. E perdoe, em todas as ocasiões e sempre, por mais difícil que isso seja às vezes.

***
Essa semana foi bem sussu. Aconteceu uma coisinha chata mas que me fez crescer! É impressionante como todo dia eu aprendo alguma coisa. Depois aconteceram duas coisas muitoi legais! Quer dizer, quatro, mas como diz minha amiga Danni, mais pra frente eu conto! (Segredo).
Essa semana vô precisar de muita sorte, capacidade, e Deus! Quer dizer, vamos inverter essa ordem: Deus, capacidade, sorte!
Agradeço à todas as pessoas que me amam e tem me dado boas vibrações! Agradecimentos super especiais da semana: Meus pais, Renan, Sandra (Minha querida sogra!), Danni, e Marquinhos também! (mesmo sem conhecê-lo pessoalemnte preciso agradecer).
Bom findi a todos e até quarta, espero que com novidades!


PS: Quem guarda mágoa cultiva um câncer.

  • Digg
  • Del.icio.us
  • StumbleUpon
  • Reddit
  • RSS
Read Comments

0 comentários: