Se o amanhã não vier

Às vezes paro e penso que a nossa vida é só o hoje. Temos a louca mania de achar que amanhã faremos tal coisa, amanhã veremos o tal filme, amanhã diremos que gostamos de determinada pessoa, amanhã faremos tudo o que adiamos da nossa vida do dia que mais nos passa certeza de qualquer coisa: O hoje.

O terreno do amanhã é incerto demais para os planos.

Ontem antes de dormir deitei na cama e fiquei analisando a minha vida. Renan tinha acabado de ir embora e fiquei pensando que aquela poderia ser a ultima vez que nos vimos.
E se ele sofresse um acidente no caminho pra casa? E se hoje ao acordar o trem que eu estivesse batesse e eu morresse?
Fizemos tantos planos para o dia de hoje, mas e se não tivermos a oportunidade de concretizá-los? Ontem aprendi uma coisa: Não podemos contar com o amanhã.

Talvez, a gente fique esperando a vida inteira para dizer aquela palavra que não dissemos porque achamos que teriamos outra oportunidade. Economizamos vida simplesmente porque deixamos para amanhã.

Comecei a pensar e não consegui não chorar. Desejei que o Renan voltasse correndo porque eu tinha umas coisas muito urgentes para falar pra ele, mas sabia que era necessário sua partida pois ele mora bem longe.

Se eu soubesse que ontem seria a ultima vez que eu o veria, eu gostaria de dizer para ele que ele é o melhor homem que eu já conheci, e que eu não mereço tanto. Se eu soubesse que ontem seria a ultima vez que nos veriamos eu pediria para ele sorrir e tiraria uma foto do seu sorriso. Eu gastaria muito tempo sentindo seu cheiro e acariciando suas mãos. Eu o abraçaria forte como se minha própria vida dependesse disso. Eu falaria "Eu te amo" milhões de vezes ao invés de admitir que ele já sabe disso. Eu brincaria com ele, eu riria muito, faria cosquinha, cantaria a nossa música bem alto, dançaria com ele onde quer que estivéssemos, num shopping ou na praça, havendo música ou não.
Por fim, eu deitaria com ele em algum lugar de grama bem verdinha e passaria a noite inteira ali olhando para o céu, vendo as estrelas, e aproveitando sua presença ao máximo. Eu jamais me despediria. Não gosto de despedidas. Eu mostraria o quanto ele é importante para minha vida, o quanto eu o amo, por mais clichê que parecesse.

Felizmente Deus me deu uma nova oportunidade hoje às 5h da manhã de fazer isso tudo. Hoje é o tempo presente, a vida presente. Estamos vivos e somente disso temos certeza.
São 11h da manhã, eu estou no trabalho, e estou contando os minutos para vê-lo. Vou abraçá-lo, fazer carinho nas suas mãos, cantar nossa música bem alto, dizer eu te amo até ele se cansar de ouvir, e ainda que ele se negue vamos dançar sim, no meio da rua, na varanda de casa, ou na sala. Na verdade, o lugar é o que menos importa.

Vou aproveitá-lo até o ultimo minuto. E se o amanhã não vier, eu terei desfrutado da melhor maneira que pude do hoje.

Todos os dias Deus nos reserva algo. Mas vai chegar o dia que o que nos estará reservado é simplesmente o fim de todas essas reservas diárias. O fim dos nossos dias.

Hoje quando sentei na estação enquanto esperava o trem pensava nisso. Pensei na noite anterior a qual dormi chorando por tantos dias desperdiçados, por tanto amor não dado que embrulhei e guardei num armário velho. É ai que está o desperdício da vida. No amor que não damos. Na prudência idiota que tem medo de arriscar.

O trem chegou. Fiquei olhando para aquelas pessoas dentro do trem como se fosse a ultima vez que as visse. Muitas delas pegam o trem comigo todos os dias. Todos os dias.
E se o rapaz que está a caminho do Colégio Militar não conseguir chegar lá? E se for o ultimo dia da menina ruivinha que trabalha na joalheria? E se aquele grupo de meninas e meninos que vem juntos todos os dias rindo e brincando nunca mais tiver a chance de se encontrar? Não sei... é desperdício demais levar uma vida monótona. Ninguém é capaz de um viver um momento duas vezes. Precisamos aproveitar o máximo que pudermos.

"Hoje vou viver como se fosse meu último dia", pensei ao olhar todas aquelas pernas dentro do trem. Vou almoçar como se fosse meu ultimo almoço, vou abraçar meu avô bem forte assim que chegar em casa, vou dizer à minha irmã que por mais que briguemos eu a amo muito, mais do que ela imagina. Vou trabalhar como se fosse meu ultimo dia aqui. E quando eu encontrar o Renan... bem, talvez eu não consiga falar nada.

E se o amanhã realmente não vier eu guardarei comigo o sorriso das pessoas que amo, as aventuras, o amor, a amizade sincera, os riscos corridos, a vida enfim. E se o amanhã não vier para mim, tenho certeza que as pessoas lembrarão do meu sorriso feliz, da minha espontaneidade, do amor que dei sem medidas, do quanto me entreguei às amizades, do quanto vivi tudo em sua totalidade, do quanto não me chateei com coisas bobas, o quanto eliminei o que era ruim e guardei o que era bom.

E quando eu morrer, seja amanhã ou daqui a 50 anos, quero que tenha a seguinte escrita em minha lápide:

"Não lamentem pois aqui jaz alguém que tomou banho de chuva, viu o sol se por, sorriu a maior parte do tempo, descomplicou as coisas, morreu de amor, se deu às amizades, fez o que queria fazer, aceitou as pessoas como elas são, viveu a vida em sua totalidade não temendo riscos ou sofrimento".
Embora quem quase morre esteja vivo, quem quase vive, já morreu.

E você, o que faria se soubesse que só te resta um dia, o hoje? Pois então, te aconselho a ir lá e fazer tudo o que pensou, pois hoje pode ser realmente seu último.
E se o amanhã não vier?

Carolina Guimarães

  • Digg
  • Del.icio.us
  • StumbleUpon
  • Reddit
  • RSS
Read Comments

0 comentários: