Antipáticos porém Adoráveis



Tenho estado consideravelmente chateada com algumas coisas que tem acontecido. Bem, essas coisas não começaram hoje, mas sabe, agora, tem me pertubado de um jeito fora do normal.

Bom, meus pais são pastores de um igreja, como a maioria sabe. Eu não sou a pessoa que possamos dizer assim bem, a mais simpática desse mundo, mas tabém não sou nenhuma insuportável. Antes deles serem pastores, existia sim um numerozinho de pessoas que não gostavam de mim na igreja, mas depois que eles se tornaram pastores, esse número quadriplicou. E isso tem mais ou menos uns sete anos. Nunca falei sore isso aqui porque nunca me chateei tanto. Mas quado você passa e vê 15 cabeças falando do sapato que você tá, do perfume, da maquiagem, se riu, se deu tchau, se não falou, pô na boa, isso irrita. Tirando os que falam mal mesmo, na carona de pau.

Domingo foi a gota d´água. Quado eu passo por alguém na igreja, sendo uma pessoa que eu não coheço, e este alguém vira a cara ou faz uma cara feia, já imagino que devem ter falado alguma coisa de mim, e raramete ligo, até porque meu pai disse que seria assim mesmo. E na verdade eu tô bem acostumada com isso, sempre foi assim. Mas domingo, fui falar normalmente, com uma menina que sempre falo, e ela virou a cara pra mim simplesmente porque estava no meio de pessoas que me detestam. E ai eu me perguto, o que eu fiz pra essas pessoas? Algumas delas ali eu em sei o nome! Eu nem as conheço. Cheguei em casa bem chateada e fui conversar com meus pais, afinal, eles me meteram nessa, rs.

Meu pai disse que é admiração. Mas que forma estraha de admirar hein? Segudo ele, a inveja é o mais alto estágio da admiração profunda.

Minha mãe disse que isso é normal, que até lá em Goiânia (lá ém a sede dá miha igreja e tem mais de 18 mil membros), as filhas do pastor de lá são odiadas. Mas meu Deus, por que isso? Eu não entendo. Sabe, eu me esforço pra ser legal com todo mundo, claro eu tenho minhas chatices, mas todo mundo tem sua mania.

E porque ter inveja? Eu sou uma pessoa absolutamente normal, meus pais, apesar de pastores, são normais. Minha mãe briga quando eu não como direito, meu pai me levanta pra escovar os dentes. Eu faço xixi também sabe. Às vezes eu tenho preguiça. Ah! eu acordo feia. Sim, eu não acordo linda como as pessoas na igreja devem imaginar. Eu não estou sempre de maquiagem e com cara de miss. Eu sou um ser humano normal. E mais, eu tenho sentimentos. Sentimentos esses que são covardemente abalados cada vez que acontece uma coisa dessas. Como a menina que me ignorou. Gosto dela, por isso fiquei chateada. Achei uma atitude bem feia se vender por causa de meia dúzia de "amigos". Minha mãe disse que me tratam mal porque queriam estar no meu lugar. Meu Deus, meu pai tá aí ó. Não tenho ciúme dele, juro. Empresto ele pra quem quiser chamá-lo de pai um pouquinho. Me perturba saber que as pessoas pensam que eu me arrumo pra chamar a atenção. Que eu me visto de determinado jeito pra humilhar e pisar nas pessoas, quando na verdade é porque gosto e me sinto bem. É meu estilo, e ponto. Às vezes tenho medo do que as pessoas podem pensar, achar, julgar. Isso me consome.

Conversando com minha mãe, ela me disse que eu não tenho que deixar de ser eu mesma pra agradar as pessoas. Mas ultimamente tenho feito isso. Tenho faldo demais, tenho rido demais, tenho sido gentil. Quem está se divertindo é uma Carolina que eu detesto, uma Carolina que não sou eu. Uma qualquer uma.

Acho que isso não é um privilégio meu, mas qualquer pessoa, sente-se mal onde sabe que não é bem-vinda. Mas é ai que surge a questão, quem disse que não sou bem-vinda? É pra ser metida? Serei. Meu pai é o pastor, falem mal ou bem, sou bem-vinda sim. O mais engraçado é que a maioria das pessoas que me-odeiam-sem-me-conhecer, depois que me conhecem sempre falam: "Nossa, mas antes de te conhecer eu te achava tão arrogante!", e eu sou obrigada lógico a responder: "Mas eu sou. rs"

Meu pai me deu um conselho ontem a noite, eu eu vou seguí-lo à risca. Ele disse que poucos tem esse privilégio. De sair e entrar em todas as salas da igreja a hora que eu quiser (Inclusive o gabinete dele), saber antes de todo mundo a programação das igrejas, os livros que serão lançados, as festas que acontecerão. Frequentar lugares que todos gostariam de ir mas não podem, porque só quem tá "lá dentro", pode. No fundo sei que ele quis dizer o seguinte:

"Seja você agradando os outros ou não, mas se preocupando, porque você é a filha do pastor, e como tal, tem que ser um grande exemplo. E aproveite o lugar que você ocupa, e a posição que você está, porque como você pode ver minha filha, não é pra qualquer um".

Meu pai é fantástico. Conseguiu reverter a situação completamente. Eu que estava achando um pesadelo ser filha de pastor, agora estava achando o máximo. Fui dormir como se só eu tivesse ganhado em um sorteio um jogo super disputado. Quer dizer, eu e minha irmã, rs. Fui dormir leve, suspensa no ar. "Só eu sou", porque Deus quis assim. Então, ao invés de ficar me lamentando e me perguntando porque aquelas milhares de pessoas me odeiam, me perguntando "será que eu colei chiclete na cruz?" Eu decidi aproveitar os benefícios que isso me traz. Sei que tenho que ser o exemplo, que não posso usar qualquer roupa, que tenho que sorrir pras pessoas, e ser o mais educada possível, uma lady. Mas com isso vem também passeios, e reconhecimentos maravilhosos. E essa sou eu. O povo gostando ou não. Que virem a cara, que olhem torto, que nem olhem, ou ignorem. Não estou mais tentando agradar ninguém. Estou tentando ser eu. Mas sendo também sorridente, e bem educadinha, senão, quando a gente chega da igreja em casa, minha mãe torce minhas orelhas, rs.

"Às vezes eu tento ser modesta, mas ai... começam a me faltar argumentos".

Meu beijo,
Carolina.

  • Digg
  • Del.icio.us
  • StumbleUpon
  • Reddit
  • RSS
Read Comments

0 comentários: