Meu primeiro amor

Quando eu tinha 7 anos um dia cheguei em casa e peguei minha mãe vendo um filme com uma amiga. Já estava no finalzinho e minha mãe me olhou e disse: - Ih Carol, você vai adorar esse filme!
Na mesma hora eu rebobinei a fita e vi o filme. Quando terminou eu estava hipnotizada. Aquele filme era eu. Era tudo o que eu queria ser. Era tudo o que eu queria pra mim. Rebobinei a fita e vi de novo. E depois de novo, e depois de novo, e de nvo, e de novo, até acabar o tempo porque minha mãe tinha que entregar a fita à locadora. Eu vireir noites pensando no filme... Eu descobri o quanto eu era romântica com 7 anos. E descobri por causa daquele filme. Eu passei a atentar minha mãe e ela alugava pra mim o filme todo fim de semana. E era sempre o mesmo processo: Eu via, rebobinava a fita, via de novo, rebobinava de novo... e passava o fim de semana assim.
Chorei desesperadamente no dia em que a locadora do Seu Jorge fechou. Passei anos sem ver o filme. Todo mundo sabia da minha paixão platônica pelo filme. Várias pessoas me diziam que o fiolme passava direto na sessão da tarde, mas como eu estudava à tarde achava sempre que as pessoas faziam aquilo de maldade porque eu não ia poder ver mesmo. E ai eu imaginava que eles passa vam a tarde inteira se deliciando com o "meu filme" enquanto eu estava na escola e não podia vê-lo.

Quando eu tinha 12 anos minha mãe chegou em casa e disse que tinha uma coisa pra mim. Eu jamais imaginaria o que era. Ela jogou então um saquinho preto em cima do sofá e disse: - Você não pode ficar muito tempo com isso porque é da Renatinha tá?.
Quando abrio o saco entrei em êxtase. Era a fita. Repeti o mesmo processo que fazia constantemente 5 anos antes. via, rebobinava, via, rebobinava, via, rebobinava.... Já via com medo de que o tempo passasse e asinando pela próxima vez que eu irira ver, porque tão logo eu teria que entregá-lo à dona. Acho que eu vi tantas vezes porque já pressentia que eu ficaria mais longos 5 anos sem vê-lo. Eu era doente por aquele filme. Quer dizer, eu era não...

Eu passei a minha adolescência sonhando com aquela história. Ela era tão viva dentro de mim, do mesmo jeito de quando entrei naquela sala com 7 anos. As músicas do filme embalaram meus sonhos. Me lembro perfeitamente de todas as noites que eu desiludida com algupem deitei na cama, abracei bem forte meu travesseiro, chorei que nem cirança e fiquei lembrando do filme. Pensando em como eu queria ser ela. Sonhando em estar sentada no canto daquela mesma com meus pais e minha irmã e de repente Johnny chegar e dizer PRA MIM: "Baby não fica num canto...". Quantas milhões de vezes imitei aqueles passos. Sei todas as falas do filme. Todas. Até dos figurantes. Sei todos os erros de gravação. Sei o nome de todos os pincipaios atores. Sei como os portagonistas vivem hoje. é engraçado que eu já sei tudo o que vai acontecer e mesmo assim me emociono todaz vez que vejo.
No meu aniversário de 17 anos meu avô me deu um embrulho. Estranhei porque em toda data festiva meu avô só costuma dar perfumes, ou dinheiro. Rasguei o papel de presente e fiquei estática quando vi a capa do dvd que dizia "Dirty Dancing - Ritmo Quente". Finalmente eu tinha o meu! Um dvd do meu filme preferido pra chamar de meu! Só meu! Sem precisar dividir com ninguém, sem precisar ver rápido pra devolver pro dono, sem precisar ficar anos sem ver... Quando eu tivesse vontade era só colocar e simplesmente ver. Saí da festa, fui no banheiro, abaixei atrás da porta e chorei agarrando o dvd contar o peito. Nem eu entendi minha atitude. Acho que eu esperei aquele presente por 10 anos. Agora que me senti mais dona daquele filme do que qualquer pessoa, do que qualquer fã. Até porque eu penso que sou muito mais que fã. Eu sou é uma louca, perseguidora do filme.

Foi com esse filme que eu descobri o que é o amor entre um homem e uma mulher. Foi quando eu descobri que o amor ultrapassa as barreiras financeiras, as barreiras do preconceito social, as barreiras do moralismo. Foi nesse filme que eu aprendi que eu podia ser quando crescesse o tipo de pessoa que eu queria ser. Foi vendo aquilo que eu vi que aquele filme era eu. Meu sangue todo ferve quando vejo esse filme. Tudo o que eu queria era ter a oportunidade de falar com os protagonistas um dia. Dizer pra eles que aquele filme que eles fizeram em 1987 mexeu com a vida de uma garotinha bobinha e sonhadora que morava no Brasil. Infelizmente essa semana eu soube que o Patrick Swayze está com câncer no pâncreas, e tinha pouco tempo de vida. Fiquei trsite como se fosse alguém da minha família. É muito estranho porque nunca tive tanta afinidade assim com nenhuma outra coisa. Acho que jamais terei aquela oportunidade, de dizer-lhes o quanto amo o filme. E se todas as pessoas detestassem já teria valido à pena, só por eu ter visto.

Às vezes pego o dvd e fico alisando a capa com um sorriso no rosto. Como se eu realemente tivesse vivido aquilo tudo. Às vezes a impressão que eu tenho é de que eu vivi sim. E quando quero reviver, me jogo no sofá e assisto até cansar (o que nunca acontece). A minha lista de filmes já assistidos já passa de 580, masnão tem jeito, esse aí tá sempre no topo. Esse filme não me larga gente, rs. E nem eu quero me largue mesmo. Na minha opinião é o amor mais bonito que eu já vi no cinema. Ninguém me convence do contrário. Pode parecer exagero mas eu pedi a Deus pela vida dele. Não queria que ele morresse. Não agora. Ele não está tão velho assim. E minha simpatia por eles, e por ela, é muito grande. Gosto do filme de graça. E depois de grande acabei aprendendo que na vida... todo mundo dança!



Muita dança e muito amor...
Carolina.

  • Digg
  • Del.icio.us
  • StumbleUpon
  • Reddit
  • RSS
Read Comments

4 comentários:

Camila disse...

Você é muito boba sabia....
To esperando até hoje o seu coments lá no meu....mas tudo bem....
Bjs

Natasha disse...

Caroool! Nossa, é impressionante como eu me identifico com vc! Mesmo, mesmo! Eu amoooo esse filme, vi todas as vezes que passou! Claro que não chega nem perto do amor que vc sente por ele, de saber todas as falas e o nome dos atores rs! Mas eu amo mto mesmo, vejo sempre que passa! E esse vídeo no Youtube, perdi as contas de qtas vezes eu já vi! E a dança... linda demais, né?! Queria dançar com alguém assim um dia haha! Lindona, um beijo bem GRANDÃO! Gosto mtoooo dos seus post's, continue a atualizar sempre! Beijos.

Elisa disse...

Oi Caroool
Fuxicando o orkut vi seu blog e vim ver! hehehe

Eu lembro d um aniversario seu q eu fio na sua casa e vc fez td mundo assistir esse filme...
lembro ate q vc falava as falas antes dos atores hahaahahaha

bjos
saudades

zikinha32 disse...

Poxa Prima..me emocionei qnd li seu post..lembreii de todas as vezes qee a gente assistia junto a esse filme..
Quantas vezes choramos ..
São tantos filmes qee me lembram de vc..
Lua de Cristal..Carta?q carta?não me lembro de carta nenhuma..quer uma maça??rs
procurando NemO..acho q foram pelo menos 20 vezes q assistimos juntas..
Lisbela e o prisioneiro..as luzes vão se apagando..os olhos vão se abrindo..

São tantas lembranças..e não adianta..continuo assistindo a tds esses filmes..zilhares d vezes..e me emociono; me lembro de vc sabia!
sinto tanto a sua falta aqii..as vezes preciso de alguem não pra conversar..só pra chorar mesmo..e vc não esta aqui..
é froids..

Garota...eu tee amO absurdamenteee...